Moções do Bicicultura

Os/as ciclistas brasileiros/as reunidos/as em Recife/PE entre os dias 7 e 10 de setembro de 2017 no Bicicultura – Encontro Brasileiro de Cicloativismo e Mobilidade por Bicicleta aprovaram, em sua Plenária Final, as seguintes Moções.


Moção 1

Dirigida ao Governo do Estado de Santa Catarina e à Prefeitura Municipal de Florianópolis/SC

“Manifestamos o apoio irrestrito à destinação exclusiva da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis/SC às modalidades de mobilidade sustentável (pedestres, ciclistas e transporte coletivo) quando da conclusão de sua reforma e de sua reabertura ao trânsito local. É inaceitável, diante do vasto repertório de estudos técnicos e dos resultados do PLAMUS – Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis e das opções hoje disponíveis, que essa conexão histórica de importância nacional sirva ao trânsito de veículos motorizados individuais. Todo o apoio à Ponte Hercílio Luz para pedestres, ciclistas e usuários de transporte coletivo!”


Moção 2

Dirigida à Prefeitura de Teresina/PI

“Nós, cicloativistas de todo o Brasil, nos solidarizamos com a luta da população teresinense que se organiza para defender um modelo de cidade onde o espaço público é democraticamente compartilhado e onde a participação popular, nos planos elaborados, é o único meio de se oferecer uma cidade realmente para as pessoas. Nos últimos anos, a Prefeitura de Teresina vem realizando uma série de obras que são apresentadas como investimento para a melhoria da mobilidade urbana da cidade, mas que na verdade estão reduzindo o direito dos pedestres e ciclistas de circularem com conforto e segurança pelas vias públicas. O estreitamento das ciclovias da Av. Presidente Kennedy e da Av. Miguel Rosa nos últimos meses representou o que consideramos o maior retrocesso na mobilidade por bicicleta de Teresina, com o estreitamento de mais de 10 km das ciclovias destas avenidas. Dessa vez a Prefeitura pretende acabar com 2,42 km de ciclovia da Av. Duque de Caxias, na zona Norte. Trata-se de uma das ciclovias mais tradicionais da capital e que já faz parte da rota de grande parte dos trabalhadores e trabalhadoras que vivem naquela região e fazem da bicicleta uma de suas ferramentas de trabalho e sobrevivência (dados do Plano Diretor Cicloviário de Teresina, apresentado em 2015, apontam que 55% dos ciclistas utilizam a bicicleta para ir ao trabalho). Além da falta de sensibilidade dos atuais projetos voltados para mobilidade urbana de Teresina, os rumos que a cidade vem tomando apontam para a inaceitável priorização concedida aos veículos motorizados individuais nas ruas teresinenses. Dados do Denatran apontam que Teresina é a capital com maior taxa de motorização do nordeste: em 2012 existiam 40,27 veículos para cada grupo de 100 pessoas. Defendemos uma cidade construída para as pessoas, onde as desigualdades sociais não se reflitam na forma como o espaço público é planejado e onde uma suposta busca pelo progresso não acabe por impedir o livre direito de ir e vir daqueles que mais precisam. Viemos então apoiar o posicionamento da comunidade teresinense, que defende que um verdadeiro investimento em mobilidade urbana é aquele onde as pessoas são colocadas como prioridade, onde o espaço é repartido entre todos e que encaminhe Teresina para um futuro mais sustentável e igualitário. Manifestamos todo o respeito pelos piauienses que lutam por uma cidade melhor. Por nenhum centímetro a menos de CICLOVIAS!”


Moção 3

Dirigida ao Governo do Estado de Pernambuco e à Prefeitura da Cidade do Recife

“Nós, ciclistas e organizações reunidas no Bicicultura Recife 2017, repudiamos o governo do estado de Pernambuco, a Prefeitura da Cidade do Recife e demais prefeituras da região metropolitana, pela não execução do Plano Diretor Cicloviário da região metropolitana do Recife.”


Moção 4

Dirigida ao Governo do Distrito Federal

“Nós, cicloativistas de todo o Brasil reunidos no Bicicultura Recife 2017, realizado entre os dias 7 e 10 de setembro, reconhecendo a importância da luta contra a especulação imobiliária, pela valorização cultural e fomento da economia solidária apoiamos a Ocupação Cultural Mercado Sul Vive localizada na cidade de Taguatinga no Distrito Federal.”


Moção 5

Dirigida à UCB – União de Ciclistas do Brasil e à Ciclocidade – Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo

“Nós, mulheres cicloativistas – associadas à UCB e membras do GT gênero da UCB, associadas à Ciclocidade e membras do GT Gênero da Ciclocidade, associadas a outras instituições cicloativistas do Brasil e aquelas não associadas à qualquer instituição – presentes no Bicicultura Recife 2017 viemos a público denunciar à União de Ciclistas do Brasil e à Ciclocidade e repudiar o ato de agressão contra uma mulher cometido pelo Diretor-geral da Ciclocidade, durante o evento. O grupo de mulheres supracitado entende que esse tipo de ação é contrário aos princípios da UCB que se pautam, entre outros, pela equidade de gênero e respeito aos direitos humanos. Assim, se torna incompatível a vinculação da Ciclocidade como Associada Instituição Atuante da UCB enquanto a mesma estiver representada pelo atual diretor. Neste momento, em que cada vez mais discutimos o feminismo no meio cicloativista e que vemos mais mulheres colocando suas vozes em espaços antes tradicionalmente ocupados por homens, reforçamos que seguiremos juntas na luta contra o machismo, esteja ele nas ruas ou dentro das nossas instituições. Aguardamos que a Ciclocidade e a UCB deliberem, com a competência que lhes cabe, sobre o ocorrido e tomem as medidas institucionais necessárias para garantir a inadmissibilidade de casos de violência, em especial violência de gênero, no nosso meio.”

Nota de Resposta da Ciclocidade à UCB – União de Ciclistas do Brasil
A Ciclocidade ratifica os termos da Nota de Repúdio já publicada pelo GT de Gênero dessa Associação sobre os fatos ocorridos no evento Bicicultura no dia 09/09/2017 e reitera o seu compromisso com a construção de uma cidade mais humana, que passa impreterivelmente pela promoção da igualdade de gênero, e o combate ao machismo. Foi convocada uma reunião geral ocorrida em 14/09, na qual foi oficializada a renúncia do Diretor Geral da Associação e da Diretora Administrativa e decidido sobre a convocação de uma Assembleia Geral Extraordinária para o próximo dia 07/10/2017 para recomposição dos cargos da diretoria e discussão dos próximos encaminhamentos que venham a fortalecer a governança e garantir a efetividade dos princípios da Associação.